Ainda jovem?

Escrevi este texto há cinco anos e creio que ele está ainda bastante atual. Vale a pena conferir.

Na mesma estrada

Um dia desses conversando com um amigo de cerca de 20 anos escutei o seguinte comentário: “eu não sou mais jovem, sou um adulto”. Claro que eu comecei a rir dele. Afinal, quando a gente vai passando muito dos 30 a gente vai entendendo que a vida é mais longa do que o que pensávamos antes dos 30.

Lembrei-me de um episódio parecido que aconteceu comigo logo quando cheguei à Itália. Eu estava perto de completar 30 anos e, conversando com uns amigos italianos, disse que não era mais jovem. Eles começaram todos a rir de mim, achando muito engraçado a minha observação, porque, para eles, eu era sim um jovem. Eu quase não acreditava naquilo, até que, lendo um jornal um dia no trem me deparei com a seguinte notícia: “assassinado um jovem de 30 anos”. Engraçado essas coisas de diferença cultural. Se pensarmos na idade média, ou mesmo…

Ver o post original 658 mais palavras

Justo e Misericordioso

Olá Pessoal,

Faz um tempinho que não escrevo aqui e essa semana resolvi retornar, o que vocês acham?

Queria brevemente fazer um comentário sobre esses atributos divinos. Hoje fiquei tocado pelas palavras de Jesus no Evangelho e me pus a refletir sobre a justiça e misericórdia do Senhor. A justiça e a misericórdia andam juntas, lado a lado, de modo perfeito, como tudo em Deus. Não podemos pender nem para um lado nem para um outro, apesar de sabermos que “a misericórdia triunfa sobre o juízo”, entretanto, ela não é injusta.

Isso acende em nós a virtude do Santo Temor de Deus. Apaga o fogo da presunção orgulhosa. Não são nossos títulos, cargos, engajamentos que vão nos salvar. Não é porque pregamos ao povo, porque “comemos com ele” (fazemos comunhão na Missa) que automaticamente, simplesmente por essas práticas, seremos salvos.

Devemos nos esforçar por entrar “pela porta estreita” dos mandamentos. Devemos por em prática aquilo que acreditamos, como diz Jesus no Evangelho de hoje, devemos “praticar a justiça”.

Mas, o que é a JUSTIÇA? Certamente não devemos confundi-la ou reduzi-la com a “justiça social” tão apregoada. A justiça é dar a cada um o que lhe compete segundo os seus méritos. Portanto, o que é justo para mim não o será para um outro que não tem as obrigações, deveres e graças que eu possuo.

Enfim, não vou me delongar, só queria deixar essa breve reflexão. Ninguém estará excluído do Reino dos Céus se se esforçar por “entrar pela porta estreita”. Ao mesmo tempo, ninguém terá a garantia de que o Senhor lhe abrirá a porta apenas por títulos, cargos, ou práticas externas que não têm reflexo na vida pessoal, no amor a Deus acima de todas as coisas e no amor ao próximo como a si mesmo. Continuar lendo

Aborto masculino

O aborto é um crime diante da consciência de todo o ser humano racional e que usa essa faculdade, mas diante de Deus é também um pecado pois, tudo aquilo que vai contra a nossa natureza, é um grave pecado. Porém, vale salientar que esse pecado que exclui quem o pratica conscientemente da comunhão com Deus e com a Igreja (excomunhão), não é só um pecado feminino. Muitos HOMENS cometem o mesmo crime infame. Aqueles homens pais que mandam a filha abortar; os namorados e maridos que convencem a garota frágil, medrosa e inconsequente ao aborto; os enfermeiros e médicos que, falhando com o seu juramento de defender e preservar a vida, praticam o ato cruel e desumano (não sei como eles conseguem!) e incorrem na mesma excomunhão.

Aqueles homens (e mulheres) que votam em políticos ou partidos que claramente defendem o aborto e colocam como projeto de governo.

Deus tenha misericórdia de nós todos!

Na mesma estrada

Um médico, um advogado, um professor.

Três profissões maravilhosas. Pelo bem que fazem à sociedade, são às vezes equiparadas à uma vocação sobrenatural, um chamado divino.

Imagino um jovem que se decide pela medicina. Cheio de garra, de vontade de fazer o bem aos outros, de curar, de socorrer os mais fracos, de lutar pela justiça nos setores públicos… até sonha em achar a cura de uma doença como o câncer, a AIDS…

Um outro que acabou de fazer, com tantas lutas e sacrifícios, todas as etapas para ser aprovado na OAB, que sonha em defender grandes causas, colocar na cadeia criminoso e sanar grandes injustiças.

Talvez ainda mais lindo e menos reconhecido de todos é aquele que adentra pela área do magistério. O sonho de moldar uma criança e fazê-la cidadã do mundo, construir as mentalidades para uma nova sociedade, ser modelo para os jovens e para as novas…

Ver o post original 964 mais palavras

Dicas para vida tranquila de padre

Nunca critique ninguém, nunca fale a verdade abertamente, não denuncie as injustiças (especialmente do governo), não defenda a radicalidade evangélica nem se meta em polêmicas sobre a doutrina da Igreja.
Fique sempre do lado dos ricos, especialmente nunca negue um pedido particular, uma exceção para quem ajuda financeiramente a Igreja. Deixe as pessoas fazerem o que elas acharem mais bonitinho na liturgia, dê chance pra todos mostrarem os seus dons e talentos usando o microfone da Igreja pra isso.
Celebre a missa bem rapidinho, não reclame de nada do altar, nada mesmo! Não reclame da roupa curta das meninas ou das bermudas dos homens ou do modo de vestir seja lá de quem. Não exija que as pessoas sejam pontuais na missa, afinal, elas têm mais o que fazer! Deixe as pessoas comungarem da forma que acharem que devem.
Sorria sempre, como os políticos, nunca demonstre a verdade sobre os seus sentimentos. Não receba ninguém, absolutamente ninguém em casa, só em grupos e com todas as portas abertas e só durante a parte mais luminosa do dia.
Uma dica muito, muito importante: deixe os leigos fazerem o que quiserem com o dinheiro da Igreja, não exija prestação de contas.
Deixe que as festas dos padroeiros sejam um momento de arrecadação, custe o que custar. Não impeça venda de bebidas alcoólicas, shows mundanos, seja lá o que for.
Faça o catecismo bem rapidinho e deixe as crianças se fantasiarem de princesas e pajens para tirar fotos na primeira comunhão. Aliás, em todos os momentos litúrgicos de festa, deixe que os fotógrafos façam o que quiserem, subam no altar, se for necessário, subam literalmente na mesa do altar, contanto que a foto fique bonita no casamento, crisma, primeira eucaristia, batizado, etc.
Celebre nas casas para a comodidade do povo, especialmente dos ricos. Não faça curso de batismo e aceite qualquer um ser batizado, com qualquer padrinho. Diga para as pessoas juntas, amasiadas, que elas podem comungar, mas diga em segredo pra que ninguém saiba.
Não exija engajamento dos jovens. Crisme qualquer um que queira, afinal, é problema deles…
Enfim, seja um padre bem bonzinho, que se esforça ao máximo, ao extremo mesmo, para agradar a todo mundo. Pronto: você terá uma vida quase 100% tranquila e uma eternidade bem quentinha nas profundezas do inferno!

Comungar de joelhos? (2a Parte)

Coloco aqui uma notícia transmitida a mim pelo meu amigo Átila Moreira.

Achei esta notícia na ACI Digital (que você já deve ter lido) e compartilho contigo – destaques meus.
Sua bênção e um abraço.

Cardeal Cañizares: É recomendável comungar na boca e de joelhos

REDAÇÃO CENTRAL, 27 Jul. 11 (ACI/EWTN Noticias) .- Em entrevista concedida à agência ACI Prensa, o Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos no Vaticano, Cardeal Antonio Cañizares Llovera, assinalou que é recomendável que os católicos comunguem na boca e de joelhos.

Assim indicou o Cardeal espanhol que serve na Santa Sé como máximo responsável, depois do Papa, pela liturgia e os sacramentos na Igreja Católica, ao responder se considerava recomendável que os fiéis comunguem ou não na mão.

A resposta do Cardeal foi breve e singela: “é recomendável que os fiéis comunguem na boca e de joelhos”.

Do mesmo modo, ao responder à pergunta da ACI Prensa sobre o costume promovido pelo Papa Bento XVI de fazer que os fiéis que recebam dele a Eucaristia o façam na boca e de joelhos, o Cardeal Cañizares disse que isso se deve “ao sentido que deve ter a comunhão, que é de adoração, de reconhecimento de Deus”.

“Trata-se simplesmente de saber que estamos diante de Deus mesmo e que Ele veio a nós e que nós não o merecemos”, afirmou.

O Cardeal disse também que comungar desta forma “é o sinal de adoração que necessitamos recuperar. Eu acredito que seja necessário para toda a Igreja que a comunhão se faça de joelhos”.

“De fato ‘acrescentou’ se se comunga de pé, é preciso fazer genuflexão, ou fazer uma inclinação profunda, coisa que não se faz”.

O Prefeito vaticano disse ademais que “se trivializarmos a comunhão, trivializamos tudo, e não podemos perder um momento tão importante como é o de comungar, como é o de reconhecer a presença real de Cristo ali presente, do Deus que é amor dos amores como cantamos em uma canção espanhola”.

Ao ser consultado pela ACI Prensa sobre os abusos litúrgicos em que incorrem alguns atualmente, o Cardeal disse que é necessário “corrigi-los, sobre tudo mediante uma boa formação: formação dos seminaristas, formação dos sacerdotes, formação dos catequistas, formação de todos os fiéis cristãos”.

Esta formação, explicou, deve fazer que “celebre-se bem, para que se celebre conforme às exigências e dignidade da celebração, conforme às normas da Igreja, que é a única maneira que temos de celebrar autenticamente a Eucaristia”.

Finalmente o Cardeal Cañizares disse à agência ACI Prensa que nesta tarefa de formação para celebrar bem a liturgia e corrigir os abusos, “os bispos têm uma responsabilidade muito particular, e não podemos deixar de cumpri-la, porque tudo o que façamos para que a Eucaristia se celebre bem será fazer que na Eucaristia se participe bem”.