Aborto masculino

O aborto é um crime diante da consciência de todo o ser humano racional e que usa essa faculdade, mas diante de Deus é também um pecado pois, tudo aquilo que vai contra a nossa natureza, é um grave pecado. Porém, vale salientar que esse pecado que exclui quem o pratica conscientemente da comunhão com Deus e com a Igreja (excomunhão), não é só um pecado feminino. Muitos HOMENS cometem o mesmo crime infame. Aqueles homens pais que mandam a filha abortar; os namorados e maridos que convencem a garota frágil, medrosa e inconsequente ao aborto; os enfermeiros e médicos que, falhando com o seu juramento de defender e preservar a vida, praticam o ato cruel e desumano (não sei como eles conseguem!) e incorrem na mesma excomunhão.

Aqueles homens (e mulheres) que votam em políticos ou partidos que claramente defendem o aborto e colocam como projeto de governo.

Deus tenha misericórdia de nós todos!

Anúncios

Próximo passo será a legalização da pedofilia

“O próximo passo será a adoção de crianças por casais homossexuais e a legalização da pedofilia”, disse ontem o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao comentar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu a união estável entre homossexuais. Para ele, o STF fez um “julgamento político”. “O Supremo extrapolou. Quem tem de decidir isso é o Legislativo, com a sanção do Executivo. Agiu por pressão da comunidade homossexual e do governo. Unidade familiar é homem e mulher.”

Bolsonaro afirmou que proíbe o seu filho de 3 anos de brincar com crianças criadas por gays. “Eu não quero que o meu filho menor vá brincar com o filho adotivo de dois homossexuais. Não deixo. Não quero que ele aprenda com o filho do vizinho que a mamãe usa barba, que isso é normal. Não vou deixá-lo nessas companhias porque o futuro do meu filho também será homossexual”, disse o deputado. “Vão dizer que estou discriminando e estou, sim.”

Indagado sobre o teor de suas declarações, Bolsonaro atacou o Projeto de Lei 122, que prevê a criminalização da homofobia, e sugeriu que, caso ele seja aprovado, será “mais fácil se livrar de um homicídio do que de uma discriminação homofóbica”. “Se ser homofóbico é defender as crianças nas escolas, defender a família e a palavra de Deus, pode continuar me chamando de homofóbico com muito prazer, pode me dar o diploma de homofóbico”, declarou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Alemanha: mais pais na prisão por rejeitarem educação sexual estatal

43 associações do mundo inteiro exigem liberdade para os progenitores objetores
MADRI, quarta-feira, 16 de março de 2011 (ZENIT.org) – Na semana passada, a Europa descobriu com surpresa que, em um país democrático como a Alemanha, uma mãe foi presa por se recusar a levar seus filhos à aula de educação sexual do Estado e que já eram 53 os pais condenados por esse motivo.Na última segunda-feira – informa a ZENIT a associação Profissionais pela Ética – a ‘Alliance Defense Fund’ (ADF), entidade jurídica que defende os direitos das famílias alemãs perante o Tribunal Europeu de Direitos Humanos de Estrasburgo, informou sobre dois novos casos de prisão de pais em Salzkotten.

São eles: Eduard W., pai de 8 filhos, e Artur W., pai de 10 filhos e a duas semanas de ter o 11º.

Esses pais se recusaram a permitir que seus filhos participem do programa de educação sexual, porque não concordam com a educação sexual que o Estado quer impor aos seus filhos de forma obrigatória e consideram que seus direitos humanos e civis estão sendo violados.

De acordo com Roger Kiska, advogado de ADF, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos de Estrasburgo não aceitou o pedido para decretar medidas de emergência para libertar a Sra. Wiens, apesar da prisão injusta.

“Estamos convencidos de que, quando o Tribunal de Estrasburgo ditar sua sentença sobre os casos de pais que foram presos pelo simples fato de exercer a paternidade, a justiça vai prevalecer”, disse ele.

Enquanto isso, na Espanha, Profissionais pela Ética promove uma declaração a favor da Sra. Wiens, a mãe presa pelo mesmo motivo, na mesma localidade alemã de Salzkotten, assim como de outros pais alemães condenados.

Nesta declaração, que foi assinada por 43 associações da Espanha, Irlanda, Itália, Bélgica, França, Eslováquia, Alemanha, EUA, Quênia, Filipinas, México e Noruega, pede-se às autoridades alemãs que libertem os pais presos por quererem educar seus filhos segundo suas convicções.

Também se exige que as instituições europeias garantam os direitos fundamentais e a liberdade de educação.

A declaração foi enviada às seguintes instituições: Chancelaria Federal da Alemanha; governo federal alemão; ministérios da Cultura e Educação dos estados alemães federados; instituições do Conselho da Europa; representantes dos governos alemão e espanhol no Conselho da Europa; Parlamento Europeu; embaixada alemã na Espanha; tribunais que condenaram os progenitores alemães; pais alemães presos.

“Com esta ação – disse Leonor Tamayo, chefe da área internacional de Profissionais pela Ética -, queremos sensibilizar a opinião pública e apoiar os pais, obrigando as autoridades a evitar essa violação agressiva dos direitos humanos.”

A declaração pode ser assinada em: http://www.profesionalesetica.org/suscribirse-a-la-declaracion/.

Para mais informações: www.profesionalesetica.org.

 

Pedofilia

Li agora a pouco uma notícia que me deixou estarrecido! Vejam vocês mesmos:

RIO – Um e-book apresentado como um guia para pedofilia provocou críticas de usuários e ameaças de boicote à Amazon, maior site de varejo do mundo. O livro eletrônico intitulado “The Pedophile’s Guide to Love and Pleasure: A Child-Lover’s Code of Conduct” (“O Guia do Pedófilo para o Amor e o Prazer: um Código de Conduta para os Amantes das Crianças”, em tradução livre) terminou sendo retirado das páginas do site na noite de quarta-feira, segundo a rede CNN.

Antes da exclusão do livro, mais de dois mil usuários comentaram o título. De acordo com a CNN, duas páginas do Facebook também promoveram o boicote à Amazon por causa do e-book. O autor, que editou o guia e o colocou à venda no site, disse que publicou o livro para tratar do que ele considera um retrato injusto dos pedófilos na mídia.

– Verdadeiros pedófilos amam crianças e nunca vão machucá-las – disse Phillip R. Greaves II em entrevista por telefone à CNN, segundo o site da rede, acrescentando que é contra a consumação de uma relação sexual. – Mas beijar e acariciar, isso eu não acho que seja um grande problema.

Morador do estado Americano de Colorado, o homem disse à CNN que não teve relação sexual com crianças depois de adulto, mas o fez quando era adolescente. Na descrição do livro que constava no site da Amazon, Greaves dizia que o e-book era “minha tentativa de fazer as ações pedófilas mais seguras para aqueles juvenis que se vêem envolvidos nelas, por meio do estabelecimento de certas regras para os adultos seguirem”.

Site não comenta o caso

O autor também diz que tem esperança de que, seguindo o guia, os pedófilos possam ser sentenciados a penas menores se forem descobertos. De acordo com a CNN, a Amazon não respondeu a pedidos de declarações sobre o caso. Um usuário do site publicou nos comentários o que ele disse ser uma resposta do site a um email enviado por ele:

“Permita-me assegurar que a Amazon.com não apóia ou promove atos criminosos; nós apoiamos direito de cada indivíduo de fazer suas próprias decisões de compra”.

De acordo com a política do site, os próprios autores devem avaliar se os títulos que colocam à venda em sua página estão de acordo com as leis. Pornografia e títulos ligados a atividades ilegais estão entre os proibidos pela política da Amazon, que lhe garante a possibilidade de retirar produtos postos à venda, segundo a CNN. A empresa ganha uma participação dos produtos vendidos em sua página.

Fonte: globo.com

_____________________________________________

Diante da completa pandemia moral em que vive o homem de hoje, do relativismo propagado até às últimas consequências, não me espanta essa publicação. O que hoje escandaliza alguns amanhã facilmente pode transformar-se em um direito!

Não é a primeira vez que há uma “apologia” à pedofilia. Na Holanda, se não me engano, já foi criado até mesmo um partido político para defender a pedofilia, depois extinto. Vocês pensam que existe um limite para o pecado? Existe um limite para a falta de ética e moral? Existe mesmo? Vocês acham que o mundo que rejeitou a noção de Deus, de fé, do sagrado; que rejeitou a vivência da sexualidade de modo humano, centralizada no amor e não somente no prazer, vai parar em algum limite? Como dizia um padre amigo meu (taxado de exagerado), não vai demorar para que se queira legitimar não só a pedofilia mas até mesmo o bestialismo. Quem já não viu na internet ou na televisão um vídeo de um cara na Europa casando com a sua gata de estimação?

Mas, para abafar a gritante voz da consciência, que mesmo nas profundezas da alma, ainda dá os últimos suspiros de vida, sabe o que eles fazem? Acusam a Igreja, os cristãos. Nós, na opinião deles, somos os fanáticos, os monstros, os “pedófilos”. O celibato e a santidade da Igreja agride os que vivem nas trevas. É melhor acusar que se converter.

Bom, teria muito a dizer, mas deixo para cada um a reflexão sobre isso.

Estamos bem sem Deus?

Como todos devem saber, o Papa está visitando o Reino Unido por esses dias. Você pode estar se perguntando.. “E o que eu tenho a ver com isso?”

Pois bem, vejam a foto que está em anexo e o site a seguir http://www.goodwithoutgod.org.uk/.

A foto diz respeito a um outdoor perto do Bellahouston Park, em Glasgow, na Escócia.  Na frase, o protesto ateu contra a visita do Papa, o maior símbolo católico cristão no mundo: “Dois milhões de escoceses estão bem sem Deus”.

E você? Não se sente incomodado ao saber que muitas pessoas acreditam viver bem sem Deus?

Evilásio Lucena
Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Telecomunicações Sem Fio – GTEL/UFC Campus do Pici
Estudante de Doutorado do curso de Engenharia de Teleinformática DETI/UFC
Vocacionado da Comunidade Católica Shalom

Antes de nascer, pode.

Mais um caso de uma mãe que cometeu uma barbaridade… só porque foi depois de nascer! Ninguém se escandalizaria se ela tivesse feito isso ANTES QUE OS BEBÊS NASCESSEM.

Uma britânica admitiu ter guardado os cadáveres de três bebês em um armário por 20 anos. Bernadette Quirk, de 55 anos, também enterrou, secretamente, em um cemitério, o corpo de um quarto bebê.

Ela está sendo julgada em um tribunal na cidade de Liverpool, no norte da Inglaterra.

Os bebês nasceram entre 1985 e 1995. Quirk, que no período consumia grandes quantidades de álcool, alega que todos os bebês nasceram mortos e que ela embrulhou três deles em trapos e guardou-os em um pequeno recipiente plástico em seu armário.

Nascida no condado de Merseyside, hoje vivendo nos arredores da cidade de Manchester, Quirk teve dificuldade em se lembrar das datas em que os bebês nasceram.

Ela se declarou culpada da acusação de ocultação de nascimentos e será sentenciada em outubro.

‘Período difícil’

O advogado de Quirk, Ian Morris, disse ao tribunal que os nascimentos aconteceram durante um período difícil na vida dela.

Ele disse que a cliente desejava tornar claro que os bebês já estavam mortos quando nasceram, fato que não foi contrariado por pareceres médicos.

Segundo o advogado, Quirk descreve aquela fase em sua vida como caótica e diz ter enterrado as memórias daquele tempo em algum lugar inacessível.

Morris disse que sua cliente não se lembra do quarto bebê mas não teve outra opção senão admitir culpa, tendo em vista evidências irrefutáveis de que ela era a mãe.

Ele disse ao tribunal que quando Quirk foi presa, no ano passado, estava recebendo tratamento para depressão em um hospital e corria o risco de ser despejada de sua casa.

Gêmeas

Não foi explicado por que Quirk guardou os restos dos cadáveres, levando-os consigo para os vários endereços que ocupou após os nascimentos.

Os restos mortais foram encontrados pela filha de Quirk, Joanne Lee, que avisou a polícia.

Os quatro bebês eram meninas e duas delas eram gêmeas.

O juiz pediu mais informações contextuais antes de decidir sobre a sentença, mas alertou Quirk de que há possibilidade de que ela seja mandada para a prisão.

A família de Quirk anunciou que pretende organizar um enterro para os bebês.