Facebook e YouTube: nova página dedicada a João Paulo II

Graças à Rádio Vaticano e ao Centro Televisivo Vaticano
CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 14 de março de 2011 (ZENIT.org) – Diante da beatificação do Papa João Paulo II, que será realizada em 1º de maio, lançou-se no Facebook uma página dedicada a ele: www.facebook.com/vatican.johnpaul2.Nesta página estão todos os videoclipes que também se encontram no YouTube, em um canal dedicado ao Papa Wojtyla. Os videoclipes percorrem o pontificado anos a ano, com a voz do futuro beato e em várias línguas. O link é www.youtube.com.giovannipaoloii.

Os áudios foram fornecidos e selecionados pelos programas da Rádio Vaticano, editados pelo Centro Televisivo Vaticano (CTV).

O objetivo, de acordo com um comunicado emitido para a ocasião, é diversificar os instrumentos “para dar a maior visibilidade possível e divulgar essa iniciativa”.

“Sabemos bem quantas pessoas estão emocionadas enquanto se aproxima a beatificação de João Paulo II”, explicou o Pe. Federico Lombardi, diretor da Rádio Vaticano, em uma entrevista concedida à emissora pontifícia.

“Por isso, procuramos mais um caminho, além dos já disponíveis, para permitir a todas as pessoas interessadas que retomem o contato com a figura de João Paulo II, também por meio de imagens e palavras que foram muito queridas em seu longo pontificado.”

“Este é o objetivo de abrir uma nova página específica sobre João Paulo II, tanto no YouTube como, nesta ocasião, também no Facebook.”

A iniciativa é fruto da sinergia entre a Rádio Vaticano e o Centro Televisivo Vaticano, apoiados pelo Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais.

“Trabalhamos todos pelo mesmo objetivo e por isso fazemos que nossas iniciativas se dirijam a um fim comum – afirmou o Pe. Lombardi. Estamos contentes por todos aqueles que, também a partir de outros sites ou páginas pessoais do Facebook, querem unir-se para compartilhar esta riqueza de imagens e sons.”

A nova página é “mais um caminho” pelo qual João Paulo II continua falando aos jovens, acrescentou o porta-voz vaticano.

“Acredito que, na memória dos jovens, ele ficou muito vivo, não desapareceu – comentou. Além disso, nós acreditamos em sua presença espiritual eficaz, em sua presença viva.”

As redes sociais, sublinhou, “são utilizadas para transmitir as mensagens do Santo Padre nos últimos anos, que convidam a um uso positivo destas novas tecnologias” e “nos dizem que esta é uma grande oportunidade para aproveitar suas potencialidades precisamente para oferecer esta presença que agora já é mais facilmente acessível por meio da imagem e do som”.

Como sublinhou o Papa Bento XVI em sua última Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, as novas tecnologias oferecem “oportunidades inéditas de criar vínculos e construir comunhão”.

“Devemos tentar emitir uma grande onda de positividade, de amizade, de valores espirituais através dos caminhos abertos pelas redes sociais – observou o Pe. Lombardi. E o que existe de mais poderoso que a imagem e a voz de um Papa que foi tão amado por toda a humanidade?

 

Anúncios

Lectionautas

BOGOTÁ, quinta-feira, 2 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – Os meninos e meninas que participarão no terceiro Congresso Latino-americano de Jovens, que acontecerá de 5 a 11 de setembro em Los Teques, Venezuela, pelo Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), poderão descobrir a Lectio Divina, ou seja, a leitura meditada da Palavra de Deus na Bíblia.

A proposta será oferecida pelo programa conjunto do Centro Bíblico Pastoral para a América Latina do CELAM (CEBIPAL) e as Sociedades Bíblicas Unidas, chamado: “Lectionautas” (www.lectionautas.com), no dia 7 de setembro das 15h às 17h30, horário da Venezuela.

Este momento será transmitido via vídeo pela internet por meio da página Lectionautas, para todos aqueles jovens que desejam se unir em oração e deixar suas mensagens, seja pela mesma página e ou por todas as redes sociais nas quais estão presentes os Lectionautas.

Atualmente mais de um milhão e duzentas mil pessoas recebem semanalmente o exercício da Lectio Divina em texto (espanhol, português, inglês e italiano), em áudio e também em vídeo. Estes serviços são totalmente gratuitos.

Na internet: www.lectionautas.com

Papa incentiva a anunciar Cristo no mundo digital e no real

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 4 de maio de 2010 (ZENIT.org).- Bento XVI incentivou os comunicadores católicos a fazerem da internet um lugar de encontro e testemunho de Cristo, na mensagem que dirigiu na última quarta-feira à Convenção dos Meios Católicos dos Estados Unidos e Canadá, que é realizada em Nova Orleans.

Ao final da audiência geral da quarta-feira, na Praça de São Pedro, o Pontífice se pronunciou em inglês para comentar o tema do encontro que reúne delegados da Associação Católica de Imprensa (http://www.catholicpress.org).

O tema, reconheceu, “destaca da extraordinária capacidade dos novos meios de comunicação para atrair a atenção do grande público a mensagem de Cristo e ao ensinamento de sua Igreja”.

“Para que vossa missão seja verdadeiramente efetiva, para que vossas palavras toquem os corações, comprometam a liberdade das pessoas e mudem suas vidas, tendes que levá-los a um encontro com pessoas e comunidades que testemunhem a graça de Cristo com sua fé e sua vida”, continuou dizendo.

Neste sentido, o Papa desejou que a reunião de Nova Orleans refresque “vosso entusiasmo comum pelo Evangelho”. E diante dos “diversos desafios” que agora enfrentam  os comunicadores católicos, recordou a promessa de Cristo ao final de seu Evangelho: “Eu estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”.

A Associação de Imprensa Católica dos Estados Unidos, fundada em 1911, reúne 600 meios de comunicação, que se distribuem entre 26 milhões de pessoas.

Internet

Você precisa de tratamento?

Crianças e adolescentes que permanecem horas diante do computador jogando ou conversando em sistemas de mensagem online podem ser dependentes eletrônicos. Por isso, a Santa Casa de Misericórdia do Rio decidiu abrir um ambulatório para tratar de jovens que sofrem desse tipo de compulsão. O serviço começa a funcionar no próximo mês. “É algo tão grave quanto adultos viciados em jogo ou em álcool”, diz Fábio Barbirato, de 40 anos, chefe da psiquiatria da Santa Casa do Rio. Segundo ele, há casos de jovens que chegam a roubar dinheiro para ir a lan house.

Em São Paulo, o Hospital das Clínicas acompanha jovens e adultos viciados em internet desde 2006. E a PUC-SP criou em 1998 um serviço de orientação psicológica via e-mail que ajuda viciados em internet de todo o País.

Segundo especialistas do HC, pessoas que se encaixem em pelo menos cinco dos oito itens abaixo devem procurar ajuda psicológica porque podem estar fazendo uso abusivo da internet. São eles:

– Preocupação excessiva com a internet

– Necessidade de aumentar o tempo online para ter a mesma satisfação

– Ter de fazer esforços para diminuir o tempo de uso da internet

– Apresentar irritabilidade e/ou depressão

– Apresentar instabilidade emocional quando o uso da internet é restrito

– Permanecer mais tempo conectado do que o programado

– Ter o trabalho e as relações familiares e sociais em risco pelo uso excessivo

– Mentir para os outros a respeito da quantidade de horas conectadas

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Sacerdotes e novos media – chamado de Bento XVI

papa_notebook
ROMA, quinta-feira, 8 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- SIGNIS, a Associação Católica Mundial para a comunicação, expressou seu pleno apoio ao chamado do Papa Bento XVI aos sacerdotes e agentes de pastoral para que usem os novos meios de comunicação digitais em seu ministério.

O Papa escolheu como tema da Jornada Mundial das Comunicações do próximo ano “O sacerdote e o ministério pastoral em um mundo digital: os novos media ao serviço da Palavra”.

Ao comentar sobre o tema da Jornada Mundial das Comunicações 2010, o presidente de SIGNIS, Augustine Loorthusamy, afirmou que “como rede mundial de profissionais católicos da comunicação, com membros ativos em mais de 120 países e a todos os âmbitos da vida da Igreja, estamos comprometidos em ajudar os sacerdotes e agentes de pastoral a compreender e utilizar os media em seu ministério”.

“Os sacerdotes e agentes de pastoral devem aprender a comunicar no meio digital em que se formam as mentes e corações dos homens e das mulheres de hoje”, sublinhou.

Adiantou que este será um dos temas principais do Congresso Mundial de SIGNIS que, com o lema “Direitos das Crianças, Promessa do Amanhã”, acontecerá em Chiang Mai, Tailândia, de 17 a 21 de outubro.

Na internet: www.signisworldcongress.netwww.signis.net

Papa a sacerdotes: usai meios de comunicação

papa bento XVI

Dia Mundial das Comunicações Sociais 2010

CASTEL GANDOLFO, terça-feira, 29 de setembro de 2009 (ZENIT.org).- “O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos meios a serviço da Palavra” é o tema escolhido por Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2010.

A Mensagem para o 44º Dia Mundial das Comunicações Sociais se dirige especialmente aos sacerdotes, neste Ano Sacerdotal e após a celebração da 12ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos.

O pontífice os convida a “considerar os novos meios como um poderoso recurso para seu ministério a serviço da Palavra e quer dirigir uma palavra de alento para enfrentar os desafios derivados da nova cultura digital”.

Assim indica um comunicado do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais que anuncia o tema do próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais, divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé hoje, festa dos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael.

“Se os novos meios forem conhecidos e avaliados adequadamente, podem oferecer aos sacerdotes e a todos os agentes de pastoral uma riqueza de dados e conteúdos que antes eram de difícil acesso, e facilitam formas de colaboração e de crescimento de comunhão impensáveis no passado”, explica o Conselho Pontifício.

O comunicado destaca que, “graças aos novos meios, os que pregam e dão a conhecer o Verbo da vida podem chegar, com palavras, sons e imagens – verdadeira e expressiva gramática da cultura digital – a indivíduos e a comunidades inteiras de todos os continentes”.

internet

Isso permite “criar novos espaços de conhecimento e de diálogo e chegar a propor e realizar itinerários de comunhão”.

“Se forem usados sabiamente, com a ajuda de especialistas em tecnologia e cultura da comunicação, os novos meios podem converter-se, para os sacerdotes e para todos os agentes de pastoral, em um válido e eficaz instrumento de verdadeira e profunda evangelização e comunhão”, indica.

E deseja: “Serão uma nova forma de evangelização, para que Cristo chegue e, diante das portas das nossas casas, diga novamente: ‘Vede que estou à porta e chamo; se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, comerei com ele e ele comigo'”.

O comunicado também recorda que “a principal responsabilidade do sacerdote é anunciar a Palavra de Deus feita carne, homem, história, convertendo-se, assim, em sinal dessa comunhão que Deus realiza com o homem”.

A eficácia deste ministério requer, portanto, que o sacerdote viva uma relação íntima com Deus, radicada em um amor profundo e em um conhecimento vivo das Sagradas Escrituras, “testemunho” escrito da Palavra divina.

Em 2009, o Dia Mundial das Comunicações Sociais foi dedicado ao tema “Novas tecnologias, novas relações. Promover uma cultura de respeito, de diálogo, de amizade”.

Em sua mensagem para aquela ocasião, o Papa convidava “todos os que empregam as novas tecnologias da comunicação, em especial os jovens, a utilizá-las de uma maneira positiva e a compreender o grande potencial desses meios para construir laços de amizade e solidariedade que possam contribuir para um mundo melhor”.

O Dia Mundial das Comunicações Sociais é a única celebração mundial convocada pelo Concílio Vaticano II e é realizado em quase todos os países do mundo no domingo precedente a Pentescostes.

O Papa e a Internet

Pessoal, esse texto é simplesmente FANTÁSTICO. O Santo Padre fala da internet, da evangelização, dos sites de relacionamentos etc. Vale muito a pena!

papa bento

MENSAGEM DO PAPA BENTO XVI
PARA O 43º DIA MUNDIAL
DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS

“Novas tecnologias, novas relações.
Promover uma cultura de respeito, de diálogo, de amizade.”

24 de Maio de 2009

Amados irmãos e irmãs,

Aproximando-se o Dia Mundial das Comunicações Sociais, é com alegria que me dirijo a vós para expor-vos algumas minhas reflexões sobre o tema escolhido para este ano: Novas tecnologias, novas relações. Promover uma cultura de respeito, de diálogo, de amizade. Com efeito, as novas tecnologias digitais estão a provocar mudanças fundamentais nos modelos de comunicação e nas relações humanas. Estas mudanças são particularmente evidentes entre os jovens que cresceram em estreito contacto com estas novas técnicas de comunicação e, consequentemente, sentem-se à vontade num mundo digital que entretanto para nós, adultos que tivemos de aprender a compreender e apreciar as oportunidades por ele oferecidas à comunicação, muitas vezes parece estranho. Por isso, na mensagem deste ano, o meu pensamento dirige-se de modo particular a quem faz parte da chamada geração digital: com eles quero partilhar algumas ideias sobre o potencial extraordinário das novas tecnologias, quando usadas para favorecerem a compreensão e a solidariedade humana. Estas tecnologias são um verdadeiro dom para a humanidade: por isso devemos fazer com que as vantagens que oferecem sejam postas ao serviço de todos os seres humanos e de todas as comunidades, sobretudo de quem está necessitado e é vulnerável.

A facilidade de acesso a celulares e computadores juntamente com o alcance global e a onipresença da internet criou uma multiplicidade de vias através das quais é possível enviar, instantaneamente, palavras e imagens aos cantos mais distantes e isolados do mundo: trata-se claramente duma possibilidade que era impensável para as gerações anteriores. De modo especial os jovens deram-se conta do enorme potencial que têm os novos «media» para favorecer a ligação, a comunicação e a compreensão entre indivíduos e comunidade, e usam-nos para comunicar com os seus amigos, encontrar novos, criar comunidades e redes, procurar informações e notícias, partilhar as próprias ideias e opiniões. Desta nova cultura da comunicação derivam muitos benefícios: as famílias podem permanecer em contacto apesar de separadas por enormes distâncias, os estudantes e os investigadores têm um acesso mais fácil e imediato aos documentos, às fontes e às descobertas científicas e podem por conseguinte trabalhar em equipa a partir de lugares diversos; além disso a natureza interativa dos novos «media» facilita formas mais dinâmicas de aprendizagem e comunicação que contribuem para o progresso social.

Embora seja motivo de maravilha a velocidade com que as novas tecnologias evoluíram em termos de segurança e eficiência, não deveria surpreender-nos a sua popularidade entre os utentes porque elas respondem ao desejo fundamental que têm as pessoas de se relacionar umas com as outras. Este desejo de comunicação e amizade está radicado na nossa própria natureza de seres humanos, não se podendo compreender adequadamente só como resposta às inovações tecnológicas. À luz da mensagem bíblica, aquele deve antes ser lido como reflexo da nossa participação no amor comunicativo e unificante de Deus, que quer fazer da humanidade inteira uma única família. Quando sentimos a necessidade de nos aproximar das outras pessoas, quando queremos conhecê-las melhor e dar-nos a conhecer, estamos a responder à vocação de Deus – uma vocação que está gravada na nossa natureza de seres criados à imagem e semelhança de Deus, o Deus da comunicação e da comunhão.

O desejo de interligação e o instinto de comunicação, que se revelam tão naturais na cultura contemporânea, na verdade são apenas manifestações modernas daquela propensão fundamental e constante que têm os seres humanos para se ultrapassarem a si mesmos entrando em relação com os outros. Na realidade, quando nos abrimos aos outros, damos satisfação às nossas carências mais profundas e tornamo-nos de forma mais plena humanos. De fato amar é aquilo para que fomos projetados pelo Criador. Naturalmente não falo de relações passageiras, superficiais; falo do verdadeiro amor, que constitui o centro da doutrina moral de Jesus: «Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças» e «amarás o teu próximo como a ti mesmo» (cf. Mc 12, 30-31). Refletindo, à luz disto, sobre o significado das novas tecnologias, é importante considerar não só a sua indubitável capacidade de favorecer o contacto entre as pessoas, mas também a qualidade dos conteúdos que aquelas são chamadas a pôr em circulação. Desejo encorajar todas as pessoas de boa vontade, ativas no mundo emergente da comunicação digital, a que se empenhem na promoção de uma cultura do respeito, do diálogo, da amizade.

Assim, aqueles que operam no sector da produção e difusão de conteúdos dos novos «media» não podem deixar de sentir-se obrigados ao respeito da dignidade e do valor da pessoa humana. Se as novas tecnologias devem servir o bem dos indivíduos e da sociedade, então aqueles que as usam devem evitar a partilha de palavras e imagens degradantes para o ser humano e, consequentemente, excluir aquilo que alimenta o ódio e a intolerância, envilece a beleza e a intimidade da sexualidade humana, explora os débeis e os inermes.

As novas tecnologias abriram também a estrada para o diálogo entre pessoas de diferentes países, culturas e religiões. A nova arena digital, o chamado cyberspace, permite encontrar-se e conhecer os valores e as tradições alheias. Contudo, tais encontros, para ser fecundos, requerem formas honestas e corretas de expressão juntamente com uma escuta atenciosa e respeitadora. O diálogo deve estar radicado numa busca sincera e recíproca da verdade, para realizar a promoção do desenvolvimento na compreensão e na tolerância. A vida não é uma mera sucessão de fatos e experiências: é antes a busca da verdade, do bem e do belo. É precisamente com tal finalidade que realizamos as nossas opções, exercitamos a nossa liberdade e nisso – isto é, na verdade, no bem e no belo – encontramos felicidade e alegria. É preciso não se deixar enganar por aqueles que andam simplesmente à procura de consumidores num mercado de possibilidades indiscriminadas, onde a escolha em si mesma se torna o bem, a novidade se contrabandeia por beleza, a experiência subjetiva sobrepõem-se à verdade.

O conceito de amizade logrou um renovado lançamento no vocabulário das redes sociais digitais que surgiram nos últimos anos. Este conceito é uma das conquistas mais nobres da cultura humana. Nas nossas amizades e através delas crescemos e desenvolvemo-nos como seres humanos. Por isso mesmo, desde sempre a verdadeira amizade foi considerada uma das maiores riquezas de que pode dispor o ser humano. Por este motivo, é preciso prestar atenção a não banalizar o conceito e a experiência da amizade. Seria triste se o nosso desejo de sustentar e desenvolver on-line as amizades fosse realizado à custa da nossa disponibilidade para a família, para os vizinhos e para aqueles que encontramos na realidade do dia a dia, no lugar de trabalho, na escola, nos tempos livres. De fato, quando o desejo de ligação virtual se torna obsessivo, a consequência é que a pessoa se isola, interrompendo a interação social real. Isto acaba por perturbar também as formas de repouso, de silêncio e de reflexão necessárias para um são desenvolvimento humano.

A amizade é um grande bem humano, mas esvaziar-se-ia do seu valor, se fosse considerada fim em si mesma. Os amigos devem sustentar-se e encorajar-se reciprocamente no desenvolvimento dos seus dons e talentos e na sua colocação ao serviço da comunidade humana. Neste contexto, é gratificante ver a aparição de novas redes digitais que procuram promover a solidariedade humana, a paz e a justiça, os direitos humanos e o respeito pela vida e o bem da criação. Estas redes podem facilitar formas de cooperação entre povos de diversos contextos geográficos e culturais, consentindo-lhes de aprofundar a comum humanidade e o sentido de corresponsabilidade pelo bem de todos. Todavia devemo-nos preocupar por fazer com que o mundo digital, onde tais redes podem ser constituídas, seja um mundo verdadeiramente acessível a todos. Seria um grave dano para o futuro da humanidade, se os novos instrumentos da comunicação, que permitem partilhar saber e informações de maneira mais rápida e eficaz, não fossem tornados acessíveis àqueles que já são econômica e socialmente marginalizados ou se contribuíssem apenas para incrementar o desnível que separa os pobres das novas redes que se estão a desenvolver ao serviço da informação e da socialização humana.

Quero concluir esta mensagem dirigindo-me especialmente aos jovens católicos, para os exortar a levarem para o mundo digital o testemunho da sua fé. Caríssimos, senti-vos comprometidos a introduzir na cultura deste novo ambiente comunicador e informativo os valores sobre os quais assenta a vossa vida. Nos primeiros tempos da Igreja, os Apóstolos e os seus discípulos levaram a Boa Nova de Jesus ao mundo greco-romano: como então a evangelização, para ser frutuosa, requereu uma atenta compreensão da cultura e dos costumes daqueles povos pagãos com o intuito de tocar as suas mentes e corações, assim agora o anúncio de Cristo no mundo das novas tecnologias supõe um conhecimento profundo das mesmas para se chegar a uma sua conveniente utilização. A vós, jovens, que vos encontrais quase espontaneamente em sintonia com estes novos meios de comunicação, compete de modo particular a tarefa da evangelização deste «continente digital». Sabei assumir com entusiasmo o anúncio do Evangelho aos vossos coetâneos! Conheceis os seus medos e as suas esperanças, os seus entusiasmos e as suas desilusões: o dom mais precioso que lhes podeis oferecer é partilhar com eles a «boa nova» de um Deus que Se fez homem, sofreu, morreu e ressuscitou para salvar a humanidade. O coração humano anseia por um mundo onde reine o amor, onde os dons sejam compartilhados, onde se construa a unidade, onde a liberdade encontre o seu significado na verdade e onde a identidade de cada um se realize numa respeitosa comunhão. A estas expectativas pode dar resposta a fé: sede os seus arautos! Sabei que o Papa vos acompanha com a sua oração e a sua bênção.

papa no celular

Vaticano, 24 de Janeiro – dia de São Francisco de Sales – de 2009.

BENEDICTUS PP. XVI

© Copyright 2009 – Libreria Editrice Vaticana