Buon Natale!!!

Tu scendi dalle stelle o Re del cielo,
e vieni in una grotta al freddo e al gelo,
e vieni in una grotta al freddo e al gelo.
O Bambino mio divino, io ti vedo qui a tremar.
O Dio beato!
Ah! Quanto ti costò l’avermi amato.
Ah! Quanto ti costò l’avermi amato.

A te che sei del mondo il Creatore,
mancano i panni e il fuoco, o mio Signore.
Mancano i panni e il fuoco, o mio Signore.
Caro eletto pargoletto, quanta questa povertà
più mi innamora, giacchè ti fece amor povero ancora.
Giacchè ti fece amor povero ancora.

Tu lasci del tuo Padre il divin seno,
per venire a tremar su questo fieno;
per venire a tremar su questo fieno.
Caro eletto del mio petto, dove amor ti trasportò!
O Gesù mio, perchè tanto patir, per amor mio…

Famoso canto natalino composto por Santo Alfonso Maria de Liguori, bispo napolitano que fundou em 1732 a Congregação do Santíssimo Redentor (uma ordem missionária) e que foi sucessivamente canonizado em 1831. Em dezembro de 1744, enquanto residia no Convento da Consolação em Deliceto (província de Foggia), compôs e executou, no período de Natal, este esplendido canto natalino.

Anúncios

Celebrar o Natal

Pessoal, resolvi escrever um pequeno texto polêmico.

Normalmente eu não gosto de polêmicas, digo, de fazer polêmicas, apesar de ser cristão convicto. Mas a minha “polêmica” aqui é por uma coisa muito simples (não vou falar da ditadura gay, nem da roupa rosa choque de uma certa universitária). Gostaria de comentar sobre as nossas “celebrações de natal”.

É chegado o fim do ano. Aquela loucura de sempre: 13° salário, consumismo desenfreado, papai-noel, etc. Nós cristãos gostamos sempre de rebater no mesmos temas que antecedem o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Porém, se dermos uma olhadinha mais aprofundada, veremos que nós mesmos estamos metidos neles até o pescoço. Somos filhos dessa época e dessa cultura e, muitas vezes, não conseguimos ir contra a corrente. Mas não é sobre isso exatamente que eu vou falar, embora esteja relacionado indiretamente. O que eu gostaria de chamar atenção (e criticar) é a nossa grande dissonância com a LITURGIA.

A nossa vida cristã católica, deveria andar em plena afinação com a Sagrada Liturgia. Ela não é somente o culto oficial da Igreja (o que já seria grande coisa!) mas ela é também a atualização do mistério de Cristo para a nossa salvação. Isso significa que, na liturgia, não apenas “comemoramos” uma evento salvífico, uma data, mas ATUALIZAMOS, revivemos, e participamos por graça daquele evento.

A Palavra de Deus proferida na liturgia, por exemplo, é Palavra de Deus proferida para nós hoje! Nesse sentido vai também a celebração dos tempos litúrgicos. Eles são tempos fortes de celebração de um grande acontecimento da nossa salvação, no caso estamos falando do ADVENTO.

Pois bem, qual é a nossa grande incoerência, dissonância, para não dizer falta de unidade e de fé? É que, em pleno Advento, comemoramos o NATAL. Isso mesmo! A coisa entrou tanto em nossa cultura, acirrado pelo consumismo desenfreado, mentalidade pagã de primeira linha, que passamos a considerar mais do que normal e aceitável comemorar o natal em peno Advento. Isso passa-nos desapercebido de tal forma que colocamos até nos calendários de nossas comunidades cristãs!

Acho que vão querer me crucificar por esse post, mas pensem bem se eu não estou falando a verdade.

Enquanto a liturgia e, portanto, a Igreja, celebra uma coisa, o meu grupo, minha comunidade, meu trabalho, meu-sei-lá-o-quê celebra outra!

O Advento é tempo de preparação. Devemos levar todo o nosso coração para, em unidade com a Santa Igreja, PREPARAR o Natal de Nosso Deus e Salvador Jesus.

Espero que eu não tenha ofendido a ninguém, pois sei que todos os que “celebram o natal dos grupos x ou y” o fazem com boa vontade e com espírito de fé, mas estão errados! Se querem celebrar o NATAL é de JESUS e isso só acontece a partir do dia 25 de Dezembro.